e

Alegria e boa vontade: antídotos para o inesperado

“Agir com raiva é o mesmo que içar vela na tempestade”
Eurípedes




Alegria e boa vontade: antídotos para o inesperado
Por mais planejamento que tenhamos, sempre corremos o risco de enfrentar imprevistos. Você sai de casa adiantado, mas uma obra no caminho impede a pontualidade. Organiza todos os detalhes da viagem, com direito a uma boa previsão do tempo, mas o sol não aparece e a chuva estraga o dia na praia.

Além de atrapalhar o planejamento, esses imprevistos causam irritação e decepção. No entanto, só existem duas coisas que você pode fazer: se revoltar com o imprevisto e transformar seu dia em um inferno ou entender que não dá para controlar tudo, mas com alegria e boa vontade é possível sobreviver ao inesperado. Como explica Paulo Angelim no artigo Sacode a Poeira, da revista Motivação, “não somos capazes de mudar os fatos, mas podemos sempre dar-lhes novos significados, novas interpretações”.

Angelim aconselha que você não reprima seus sentimentos, ou seja, pode chorar, gritar e extravasar. Mas você deve fazer isso por pouco tempo, somente durante os primeiros instantes, logo depois, pense em como reagirá ao que aconteceu. Se o trânsito estiver lento, avise que vai se atrasar e aproveite para relaxar um pouco, dar uma boa espreguiçada e ouvir uma música inspiradora. Ou reveja o planejamento do dia, repense em soluções diferentes para as situações que terá de resolver. Viu quanta coisa é possível fazer, em vez de ficar praguejando o trânsito, reclamando dos imprevistos?

É claro que não é porque o inesperado pode nos surpreender que não devemos planejar, a organização é fundamental sempre. Mas lembre-se de que é muito importante, também, ter flexibilidade para se reorganizar e reagir positivamente aos imprevistos.


Motive-se! Um grande abraço!
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Postar um comentário
Obrigado pelo seu comentário